Encontro sobre o Acordo Ortográfico na Academia das Ciências – primeiras observações

Publicado por a 14/03/2017 em Textos para reflexão | Comentários desligados

Enquanto membro da Associação de Professores de Português, participei no encontro sobre o Acordo Ortográfico que a atual direção da Academia promoveu.

A iniciativa, realizada para discutir um importante aspeto da nossa cultura, é louvável e os presentes, ao que me parece, na sua generalidade, oponentes ao Acordo, estão de parabéns. O facto de estar pouca gente não é imputável nem à instituição nem à importância do tema, mas a dificuldades inerentes a eventos deste nível de exigência, pois já estive em encontros de grande qualidade com muito parca assistência. Se estão em causa ou não os meios de divulgação empregues, só a Academia poderá ajuizar.

A presidente da APP fez o histórico dos acordos ortográficos para acentuar a responsabilidade histórica da Academia na gestação da presente legislação ortográfica. Agora, com centenas de milhar de jovens ortograficamente formados com as novas regras, seria no mínimo uma falta de respeito, dizer-lhes que o estado português lhes pede desculpa por os ter levado ao engano.

A seguir, falou Maria do Carmo Vieira, com argumentos que já lhe conhecemos e sobre os quais já aqui escrevi e sobre os quais voltarei a escrever. Às objeções que lhe pus, respondeu sobre a minha pessoa, chamando-me de ignorante. Noutra entrada, tratarei disso. Limito-me a observar que a intolerância de que esta professora se queixa, de não ser ouvida, está patente na sua atitude ao reduzir os que não concordam com ela a simples “ignorantes”.

Tratava-se das maiúsculas nas estações do ano. Segundo ela, todos teríamos de as continuar a utilizar porque num poema de Ricardo Reis as ditas estações são alegorias, referem entidades únicas. “Se é esse o caso, porque não se grafam com maiúsculas?” -, tinha eu objetado. Passam a ser nomes próprios, não é? Mas quando eu escrevo “Esta primavera vou ao estrangeiro”, será “primavera” um nome próprio? Se a Primavera é o nome de uma deusa, que se escreva então com maiúscula.

Será por eu ter dito que isso não passa de uma convenção que ela concluiu que eu era ignorante da cultura clássica? Não é uma arrogância, por uma questão ortográfica, ajuizar do conhecimento de cultura clássica do seu oponente? Então, imagine a Carmo Vieira o que acontece ao dito poema ao ser traduzido para o alemão: todos os nomes, próprios ou não, aparecerão com maiúscula e a Primavera, deusa ou não, será igual a todos os nomes comuns! Perde-se a intenção alegórica de Ricardo Reis na tradução alemã? Ou em espanhol em que as estações do ano se escrevem com minúscula?

Então aqui está para fechar este assunto, uma ocorrência de “primavera” de Ricardo Reis lida por “nuestros hermanos”:

Cada cosa a su tiempo tiene su tiempo.
No florecen en el invierno las arboledas,
Ni por la primavera
Tienen blanco frío los campos.

A la noche, que entra, no pertenece, Lidia,
El mismo ardor que el día nos pedía.
Con más sosiego amemos
Nuestra incierta vida.

A la hoguera, cansados no de la obra
Pero porque la hora es la hora de los cansancios,
No acerquemos la voz
Encima de un secreto,

Y casuales, interrumpidas, sean
Nuestras palabras de reminiscencia
(Para nada más nos sirve
La negra ida del Sol) —

Poco a poco el pasado recordemos
Y las historias contadas en el pasado
Ahora dos veces
Historias, que nos hablen

De las flores que en nuestra infancia ida
Con otra consciencia recogíamos
Y bajo otra especie
De mirar lanzado al mundo.

Y así, Lidia, a la hoguera, como estando,
Dioses hogares, allí en la eternidad,
Como quien compone ropas
Otrora lo compongamos

En este desasosiego que el descanso
Nos trae a las vidas cuando sólo pensamos
En aquello que ya fuimos,
Y hay sólo noche allá fuera.

http://www.fpessoa.com.ar

Que escândalo, não é? Escreverem “primavera” como nós fazemos agora!

Mas há mais, Maria do Carmo Vieira, se todas as utilizações da palavra “Primavera” forem grafadas com maiúsculas, não haverá diferença entre a “Primavera” alegórica, a única que nos visita todos os anos, da minha reles que aparece em “Esta Primavera não passeei nada”. Numa tradução portuguesa da Odisseia, em todos os dias bons aparece a “Aurora de róseos dedos” justamente grafada com maiúscula.

Acordo Ortográfico: Declarações falsas sobre a ortografia de língua espanhola

É que o mínimo que se pode exigir é que estejamos informados sobre o que se passa com outras línguas internacionais.

Vejam por favor as declarações de Artur Anselmo sobre a ortografia nos países de língua espanhola produzidas na audição da Academia das Ciências de Lisboa​ na Assembleia da República na qual ele sugeriu que cada país tinha a sua ortografia própria, em resposta a Edite Estrela.

O mesmo faz Bagão Félix na RTP (c/ Isabel Pires de Lima e Carlos Fiolhais).

Infelizmente, isso não coincide em nada com a breve pesquisa que fiz. Essa ideia de diversidade ortográfica foi imediatamente desdita pelo primeiro artigo da Wikipedia com que me deparei. Há uma obra chamada Ortografía (2010) que é aprovada pela Real Academia em conjunto com as dos outros países. Para exemplificar, o espírito da coisa cito um trecho da introdução:

Por último, la ortografía representa un valor incalculable en la unidad de la lengua. Mientras los demás planos lingüísticos (fonología, morfología, sintaxis y léxico) se hallan sujetos a los parámetros de variación (geográfica, social, cultural, situacional), la ortografía es un código uniforme en el que todas las variables se diluyen. Aunque su pronunciación sea distinta, una misma representación gráfica unifica la voz literaria de Gabriel García Márquez, Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa o Miguel Delibes. Su unidad y su vocación de permanencia convierten a la ortografía en un factor de unidad y de contención contra la dispersión y contra una evolución descontrolada del idioma1.

Por este documento, observamos o seguinte:

  • Existe um esforço dos países de língua espanhola no sentido da unificação ortográfica.
  • Há uma Associação das academias de língua espanhola com sede no México. O documento acima referido foi produzido pela RAE em coordenação com a dita associação.

Caro leitor, ponho aqui a ligação para o referido documento. Se estiver interessado, facilmente encontrará os sítios das ditas organizações.

De facto, a Ortografia está aqui disponível para consulta http://aplica.rae.es/orweb/cgi-bin/buscar.cgi. Curiosamente, consegui esta ligação, numa página da Acacemia Mexicana de la Lengua (http://www.academia.org.mx/ortogra).

Nessa mesma página, podem ver um artigo de José G. Moreno de Alba que compara o presente acordo ortográfico português com o processo de convergência ortográfica espanhola. Destacam-se os seguintes aspetos:

  • Em Portugal e no Brasil, o processo é controlado pelos governos, enquanto em Espanha e na América Hispânica, a ortografia tem sido controlada desde o século XVIII pela Real Academia Espanhola com muito êxito. Relata-se inclusive o caso considerado anedótico da revolta de Ramon Jiménez que escreveu um livro desafiando as regras da academia.
  • Considera-se a unidade ortográfica espanhola muito mais avançada do que a portuguesa.
  • A partir de 1999, as academias encontram-se a implementar uma nova reforma que conseguirá uma unidade ainda maior (a presente da Ortografía de 2010).

1cf. Asociación de Academias de la Lengua Española (2010), Ortografía

Luís Filipe Redes