Parecer sobre a prova de aferição do 8.º ano, 06 de junho de 2019

Publicado por a 15/06/2019 em Pareceres, Pareceres sobre exames | Comentários desligados

A prova de aferição de Português do 8º ano (prova 85) aplicada recentemente (2019-06-06) avalia de modo consistente a compreensão oral, a leitura, a educação literária, a escrita e a gramática. Para a sua realização eficaz, o aluno tem de estar particularmente atento, especialmente na primeira parte em que tem de aproveitar as duas oportunidades de audição de uma peça informativa sobre a qual é questionado em itens que tratam das partes da informação prestada e do próprio discurso informativo, incluindo a interpretação de texto figurado.

A resposta aos itens respeitantes à peça de texto informativo escrito implica também muita atenção, mas a dificuldade limita-se essencialmente à apreensão do sentido explícito no texto. A questão 5. assume um especial interesse por implicar a interpretação da informação verbal escrita por uma imagem a selecionar.

O texto literário selecionado – um dos Casos do Beco das Sardinheiras de Mário de Carvalho – exige mais do jovem leitor, pois implica factos que têm de ser inferidos e são necessários para sustentar a consistência da história, trabalho inferencial que os itens do teste requerem.

Se notamos alguma imprecisão na formulação da pergunta “o que se passava com o Pedro e os seus amigos no início do texto, antes de tudo acontecer”, também acabamos por vê-la como uma simplificação aceitável, mas, mesmo assim, talvez preferíssemos que em vez da expressão destacada estivesse algo como “na situação relatada no início do texto”.

É que o texto, a maneira de contar, assume uma especial importância na relação causal entre a roda e a chuva, explorada na questão 12, e que não é explicitada pela narração. É o leitor que a tem de inferir da sequência de acontecimentos relatada e fazer a história à sua maneira. Pode concluir que a roda era mesmo uma máquina de fazer chuva e que a proibição da entrada na gateira se atribuía a essa característica, ou que apenas as personagens infantis, especialmente o Pedro, tinham concluído isso. De uma maneira ou outra, o retornar da roda à sua posição inicial encerra o texto.

Na parte dedicada à gramática, a contextualização é a nota dominante. As frases para tratar de sintaxe não aparecem desgarradas, mas sim tematicamente interrelacionadas. Na questão 16., o contexto ajuda a distinguir entre vários casos do pronome pessoal da primeira pessoa do plural com funções de complemento diferentes.

Trata-se de um teste estimulante que conduz o aluno de uma forma coerente em várias tarefas de compreensão oral, leitura, escrita e análise gramatical que se apresentam bem integradas no seu todo.

Prova de aferição do 2.º ano – Português e Estudo do Meio

Critérios de Classificação