Dia da Língua Portuguesa associado ao concurso literário “Os Contos do Dia Mundial da Língua Portuguesa”

Publicado por a 05/05/2020 em Notícias | Comentários desligados

Os “Contos do Dia Mundial da Língua Portuguesa”, iniciativa do Camões Instituto, da Porto Editora e do Plano Nacional de Leitura (PNL) convidam os alunos de português a escreverem um conto inédito cuja extensão seja de uma a três páginas.

Encontram-se estabelecidas cinco categorias de acordo com a faixa etária dos alunos (dos oito aos 14 anos e a partir dos 15 anos) e serão tidos em conta os níveis de proficiência da língua dos candidatos.

Os trabalhos são de caráter individual e deverão ser enviados a até 30 de janeiro do próximo ano, o júri é composto por cinco elementos e os vencedores serão divulgados no dia 5 de maio de 2021.

“Este incentivo à criação em língua portuguesa junto dos jovens que estudam em português em 76 países, em cinco continentes, visa não só estimular competências linguísticas, mas apoiar o diálogo e o encontro entre culturas, reforçando, assim, duas dimensões fundamentais da celebração do Dia Mundial da Língua Portuguesa: a afirmação do Português como uma língua de comunicação internacional e como uma língua plural, de pontes e de encontros”, salienta o presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos.

A iniciativa destina-se a alunos que estão a frequentar cursos de língua e cultura portuguesas, um pouco por todo o mundo, nomeadamente na rede de Ensino Português no Estrangeiro, em leitorados do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, e em universidades com Centros de Língua Portuguesa.

Para a comissária do Plano Nacional de Leitura, Teresa Calçada, esta é uma forma de celebrar a língua e de estimular a criatividade.

“É um desafio que, dirigido aos estudantes de português dos cinco continentes, convoca a escrita, a leitura, o pensamento e a criatividade como forma de recriar e celebrar a língua portuguesa”, refere Teresa Calçada, comissária do PNL.

O Dia Mundial da Língua Portuguesa foi ratificado em 25 de novembro de 2019, pela organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO, na sigla em inglês), na sequência de uma proposta apresentada por todos os países lusófonos, e apoiada por mais 24 estados.

(Texto adaptado da revista Visão)